Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
OPINIÃO / A Agricultura com Esperança nos Jovens e na Inovação
Dissertar sobre o tema da inovação no sector agrícola é introduzir uma temática que se impõe pela sua relevância e pela sua actualidade.

O ambiente económico é cada vez mais aberto, competitivo e sujeito a múltiplas e rápidas mudanças. A capacidade estratégica dos agricultores e restantes agentes do sector para anteciparem estas mudanças e para assumirem riscos, ou seja, a sua competência para inovar, é cada vez mais decisiva para a sua sobrevivência económica. No entanto, esta depende de uma grande diversidade de factores, entre os quais, a situação financeira das suas empresas e explorações agrícolas, a existência de incentivos apropriados, a presença de um sistema de investigação e desenvolvimento tecnológico dinâmico e adaptado à realidade e constrangimentos nacionais.

Hoje em dia, mais de 70% do consumo nacional de alimentos provém do exterior. Num contexto de crescente escassez de alimentos a nível global e tão grande dependência alimentar – além de um pesado ónus sobre as contas externas – este facto comporta um risco importante para a nossa segurança alimentar. Esta grave fragilidade nacional não é, todavia, uma fatalidade determinada pelas nossas condições naturais, pelo que a agricultura pode dar um contributo bem mais significativo para a economia e para a soberania alimentar do País.

Acresce que, tratando-se de sectores produtores de bens transaccionáveis, o investimento na agricultura contribui directamente para a redução do desequilíbrio da nossa balança comercial, enquadrando-se na que deve ser a prioridade da política económica. Por outro lado, só promovendo o desenvolvimento rural sustentável será possível conter o êxodo rural e responder às necessidades da sociedade em matéria de bens públicos, como o ordenamento do território, a preservação da paisagem, do património cultural, do ambiente e da biodiversidade, bem como contribuir para a contenção das alterações climáticas.

Por conseguinte, todos estes aspectos dependem das políticas públicas em diversas áreas, pelo que se exige dos Governos uma visão integrante e integradora. Infelizmente, não o temos constatado em dose razoável.

Não raras vezes ouvimos “o mundo rural está envelhecido”. Os números não o desmentem: o último Recenseamento Geral da Agricultura publicado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), com data de 1999, refere que, do total de 375.938 agricultores, cerca de 77% - ou 289.291 – são homens e 198.065 têm mais de 55 anos. Este choque de gerações é, só por si, um bom incentivo. Diferentes atitudes entre empresários experientes, com mais idade, e jovens recém-formados, com ideias inovadoras ajustadas à sociedade actual, é, à partida, um catalisador de novas oportunidades. Não obstante, muito está por fazer no domínio da investigação e desenvolvimento tecnológico e no que se refere à desejável ligação universidade/mundo empresarial. Temos que ser exigentes na reabilitação da investigação e experimentação agrícola aplicada, privilegiando parcerias com o ensino universitário e as organizações agrícolas ou empresas sectoriais interessadas.

Só estaremos no caminho da inovação no sector agrícola quando se verificar a queda na desertificação do mundo rural e quando a agricultura, a floresta, os serviços de proximidade, a valorização do ambiente, o lazer e turismo forem actividades fundamentais na construção de um meio rural sustentável.

Urge criar um quadro de apoio à instalação de jovens empresários rurais, de forma a incentivar o seu espírito empresarial. No entanto, e no que respeita a estes incentivos, deve-se atender aos diferentes níveis de necessidade de cada região, através de uma discriminação positiva.

No âmbito dos apoios comunitários à agricultura, é essencial simplificar as normas e descentralizar os procedimentos para a sua concessão, não deixando de rever o sistema de fiscalização, com vista a uma maior eficácia. Só com um PRODER a ser efectivamente executado – abrindo o leque dos sectores e das empresas apoiadas, simplificando, desburocratizando e descentralizando o programa na medida do possível – é que teremos assegurado o início de um processo de inovação e de desenvolvimento do mundo rural. Impõe-se aqui colocar o Ministério da Agricultura ao serviço dos agricultores, com reforço do associativismo e cooperativismo, actuando numa perspectiva de fornecedor/cliente, alterando o seu funcionamento, simplificando os processos e tornando-o competitivo na captação e gestão dos fundos comunitários.

Em jeito conclusivo, não há quadro de inovação possível sem um conjunto de políticas correctas, de prioridades claras e de soluções exequíveis. A minha esperança na capacidade dos Jovens Agricultores Portugueses é maior do que qualquer dificuldade que se me apresente!

Artigo redigido para a revista "Jovens Agricultores", da Associação dos Jovens Agricultores de Portugal

05-05-2010 Partilhar Recomendar
19-07-2019
“Foi num governo liderado pelo PSD que foram promovidos avanços significativos na melhoria do quadro jurídico dos direitos e proteção dos animais”
    A recordação foi deixada por Joel Sá no debate sobre a utilização de animais no circo.
03-07-2019
O Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural “não quer saber da agricultura”
    A acusação partiu de Emília Cerqueira, que considera que o governante “esqueceu-se completamente da atividade agrícola”.
03-07-2019
PS, BE e PCP querem atirar areia aos olhos dos viticultores durienses a três meses das eleições
    António Lima Costa acusou ainda estes partidos de estarem a “afrontar” o Presidente da República.
02-07-2019
PAN e BE querem impor o seu caminho, apesar do desconhecimento do mundo real
    Nuno Serra lembrou a estes deputados que há mais mundo além do que se “avista do vosso apartamento”.
02-07-2019
PSD propõe a criação de uma Comissão para preparar o Futuro
    Margarida Mano lembrou que os deputados estão no Parlamento “para servir o Presente e preparar o Futuro”.
28-06-2019
PSD disponível para resolver insuficiências da Lei dos maus-tratos a animais
    Carlos Abreu Amorim manifestou a disponibilidade dos sociais-democratas para resolver estes problemas “de forma séria e responsável”.
28-06-2019
PSD saúda recuo do governo sobre o Sistema de Informação Cadastral
    António Costa Silva vincou que o PSD evitou a ideia do governo que dava ao Estado a possibilidade de colocar uma tabuleta num terreno de um privado e dizer “este terreno é do Estado”.
12-06-2019
Nuno Serra: “a Produção Agrícola e o Ambiente só podem viver juntos”
    O social-democrata criticou “a visão distorcida e radical” dos partidos mais à esquerda.
12-06-2019
“Os empresários agrícolas dão um enorme contributo para a coesão territorial e crescimento económico do país”
    António Lima Costa rejeitou liminarmente a ideia de “diabolização daqueles que são os únicos que investem e apostam no nosso mundo rural”.
29-05-2019
Nuno Serra critica “interesses populistas e demagógicos” de BE e PAN
    O deputado considera que esta visão impede estes partidos de compreenderem a importância da atividade cinegética.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas