Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
O Ministério da Cultura demonstrou não estar à altura do desafio que a pandemia carrega
Os deputados do PSD consideram que as respostas à crise no setor “foram curtas, tardias, opacas e nada transversais”.

“Portugal foi assolado por uma pandemia há meses, mas o setor da Cultura tem vindo a ser assolado por uma outra pandemia há anos.” Foi com estas palavras que Paulo Rios e Oliveira iniciou a sua intervenção, esta sexta-feira, no debate de Urgência, requerido pelo Grupo Parlamentar do PSD, sobre o “estado atual da Cultura em Portugal”.

De acordo com o coordenador do PSD na Comissão de Cultura, as atividades ligadas a este setor foram das primeiras a fechar portas e suspender atividade em consequência da atual pandemia. Nessa altura, recorda, o setor, fortemente marcado pela sazonalidade ou intermitências, acompanhado de forte precariedade laboral e pouca capacidade de convergências de pessoas e vontades, virou-se para a Ministra da tutela na expetativa de encontrar medidas urgentes, transversais que refletissem respostas válidas. “As respostas foram curtas, tardias, opacas e nada transversais”, denunciou.

Depois de recordar as escacas medidas tomadas pela Ministra neste período, Paulo Rios de Oliveira afirmou que a realidade “é tão gritante e tão grave que, lentamente, as próprias estruturas e agentes culturais deixaram de reconhecer no Ministério da Cultura a capacidade de ser parte da solução e, neste momento, o aparente silêncio que se vive na Cultura é igual ao silêncio pesado de um cemitério. Em Portugal, o Ministério da Cultura demonstrou não estar à altura do desafio que a pandemia carrega e, em desespero, os agentes culturais viram-se para os demais órgãos de soberania.”

Com este debate, concluiu o deputado, o PSD pretendeu fazer a “denúncia da arrogância, da incompetência e absoluta inexistência de um verdadeiro Ministério da Cultura à altura das responsabilidades do momento que atravessamos.”

De seguida, Alexandre Poço confrontou a Ministra da Cultura com o programa de compra de publicidade institucional em órgãos de comunicação social. Segundo o deputado, apesar das várias formas de apoiar a comunicação social, o governo escolheu uma que “só resultou em polémica, trapalhadas e dúvidas”.

Alexandre Poço considera que o modelo escolhido pelo executivo não cumpriu critérios de transparência, sendo “opaco e omisso na distribuição das verbas”. “Um modelo que levou a Associação Transparência e Integridade a enviar uma carta aberta ao Senhor primeiro-ministro a pedir que explicasse os critérios. Um modelo que levou órgãos de Comunicação Social, fruto das trapalhadas e das dúvidas, a dizer que este programa tinha uma distribuição injusta e que era um castigo aos órgãos de comunicação mais incómodos para o PS e para o Governo.”

Perante tal realidade, o deputado questionou à Ministra se as verbas já foram transferias para os órgãos de comunicação social.


No encerramento do debate, Fernanda Velez afirmou que o PSD andou bem quando promoveu este debate com caráter de urgência, pois a situação que vive o setor cultural “é profundamente dramática e exige uma discussão séria e respostas imediatas e eficazes.”

Segundo a deputada, com este debate fica demonstrado, mais uma vez, que “o Ministério da Cultura nunca esteve à altura de enfrentar os principais desafios deste setor, o que se tornou ainda mais evidente com o eclodir da Pandemia.”

Dirigindo-se à Ministra da Cultura, a social-democrata alertou que são necessárias medidas que assegurem a sobrevivência e a dignidade humana que os profissionais da Cultura merecem e medidas que garantam condições de trabalho e de exercício das suas profissões, agora tão ameaçadas.

Se continuar a persistir nesta sua inação, Fernanda Velez considera que se “tornará evidente que o Ministério da Cultura é um Ministério inexistente, sem qualquer peso político no Governo Socialista, ao contrário do que foi prometido, e que ficará para a história”.

“Se não existe, da parte da tutela, a necessária perceção do setor cultural, alguma coisa está a mais, e não é a Cultura”, rematou Fernanda Velez.
26-06-2020 Partilhar Recomendar
14-05-2020
Proibição dos festivais: não pode haver dois pesos e duas medidas
    Paulo Rio de Oliveira manifestou as dúvidas do PSD em relação às opções do Governo.
06-03-2020
PSD chama ao Parlamento o secretário de Estado do Cinema
    Os sociais-democratas querem ainda ouvir o presidente do Conselho de Administração da RTP.
26-02-2020
“A cultura está nas páginas dos jornais sempre pelos maus motivos”
    Paulo Rios de Oliveira fala num acumular de problemas.
18-02-2020
PSD quer ouvir Bernardo Alabaça e representantes de museus no parlamento sobre DGPC
    Na base do requerimento estão as apreensões manifestadas pelas associações e agentes culturais face à nomeação de Bernardo Alabaça para responsável máximo da DGPC.
05-02-2020
António Ventura: as touradas são património cultural português
    O deputado criticou “a exclusão cultural que este governo está a fazer à tauromaquia”.
29-11-2019
Ricardo Baptista Leite assinala “desnorte” da política cultural do Governo
    O deputado adianta que há falta de projetos, objetivos e dinheiro, mas sobra uma série de promessas por cumprir.
29-11-2019
“A política cultural deste governo falhou por completo”
    Carlos Silva acusou o Primeiro-Ministro de ser o principal responsável pelo subfinanciamento que se vive no setor da cultura.
29-11-2019
Governo cortou as verbas de apoio à Bienal de Vila Nova de Cerveira
    Alexandre Poço considera que esta “decisão prejudica a coesão territorial e aprofunda as fraturas culturais”.
29-11-2019
“Modelo de apoio às artes é um fracasso”
    Carla Borges acusou o executivo de introduzir à pressa e levianamente novos critérios de avaliação.
29-11-2019
Cultura: Fernanda Velez assinala “clara subserviência” do PCP ao PS
    A deputada recordou que os comunistas contestam as verbas para a cultura, mas aprovaram todos os Orçamentos do Estado.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
14-07-2020 Comissões parlamentares
15-07-2020 Comissões parlamentares
16-07-2020 Comissões parlamentares
17-07-2020 Comissões parlamentares
22-07-2020 Sessão Plenária
23-07-2020 Sessão Plenária
24-07-2020 Comissões parlamentares
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas