Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
António Costa “foi cúmplice” da chegada do país à bancarrota
Fernando Negrão afirmou ter vergonha desse governo socialista que levou o país à bancarrota.
No debate quinzenal na Assembleia da República, Fernando Negrão confrontou António Costa com situações concretas de falhas na área da saúde e com os atrasos no pagamento de pensões pela Segurança Social.
O líder parlamentar do PSD começou por se centrar na recente entrevista da Provedora de Justiça, Maria Lúcia Amaral, considerando que esta confirma as denúncias do PSD de atrasos no processamento de novas pensões que chegam aos dois anos. “Soubemos também que nunca houve tantas queixas na provedoria como agora, relativamente à segurança social. A Provedora foi clara quando disse que tem feito muitas perguntas ao ministro da Segurança Social e que têm sido sucessivamente ignoradas. O Governo já respondeu à senhora Provedora de Justiça?”, questionou. Dirigindo-se ao Primeiro-Ministro, o social-democrata recordou que a provedoria é um órgão de natureza constitucional da maior importância na sociedade portuguesa e que, como tal, cabe aos responsáveis do executivo dar todas as respostas que a Provedora solicite.
Ainda a propósito da Segurança Social, o líder da “bancada laranja” manifestou a sua preocupação com a situação dos pescadores. De acordo com Fernando Negrão, o governo está a fazer a contagem de 1 dia de trabalho por cada dia de lota, quando a lei define que por cada dia de lota se devem contar 3 dias de trabalho. “Este erro de contagem faz com que os pescadores não cheguem a ter 150 dias de descontos por ano e, em consequência, é-lhes negada a reforma. Estes pescadores ficam numa situação de penúria e a viver da solidariedade. Esta situação acontece devido a um erro na Segurança Social. Este erro já está corrigido”, questionou o parlamentar a António Costa.
Depois de abordar temas da Segurança Social, Fernando Negrão centrou-se em outro dos pilares do Estado português: a saúde. O deputado questionou o Primeiro-Ministro sobre as denúncias de maus tratos e negligência no Hospital Conde Ferreira, trazidas a público por uma reportagem da TVI. O parlamentar enfatizou que as imagens são inequívocas e quis saber se o governo tem conhecimento desta situação e que medidas já foram tomadas.
No que respeita aos atrasos nas consultas cirúrgicas, que em alguns casos chegam aos 4 anos, o parlamentar lembrou que em dezembro o governo dizia que um trimestre chegaria para regularizar o tempo de espera. “Entretanto, no início deste ano, houve uma nova greve. Com esta greve, quantas cirurgias foram adiadas e que atrasos estima o governo que essas remarcações provoquem nas cirurgias que deviam agora estar a ser realizadas?”
Tendo em conta estas realidades levadas a debate pelo PSD, Fernando Negrão sublinhou que sem a atuação, denúncias e insistências dos sociais-democratas os problemas que existem em Portugal seriam muito mais graves. “A Provedora de Justiça tem uma frase que revela bem o estado a que o país chegou: «a falta de meios em toda a administração pública nunca foi tão grande, mas onde é mais grave é na segurança social. Se essa falta de meios se estendesse a toda administração pública a sociedade portuguesa degradar-se-ia». Senhor Primeiro-Ministro, o que tem a dizer a esta frase?”
Perante a resposta de António Costa, Fernando Negrão afiançou que não se envergonha do governo que salvou o país, mas sim do governo que levou o país à bancarrota. “O senhor devia saber bem isso, porque pertenceu a esse governo. Assistiu, esteve lá e foi cúmplice da chegada do país à bancarrota, por mais que lhe custe ouvir dizer isto”.
Sobre a greve dos motoristas de matérias perigosas, o parlamentar recordou que há duas áreas em que o governo tem responsabilidades nesta negociação (o reconhecimento da profissão como desgaste rápido e o estatuto especial de motorista) e questionou qual o ponto da situação.
Fernando Negrão fez ainda questão de deixar “uma palavra de solidariedade” para com o povo da Venezuela e para com a comunidade portuguesa residente neste país. “Esperamos vivamente que a democracia, os direitos, liberdades e garantias vençam inequivocamente”, afirmou.

02-05-2019 Partilhar Recomendar
17-09-2020
PSD pretende reverter encerramento do serviço de consulta aberta do Hospital de Cantanhede
   
17-09-2020
PS chumba criação de uma subcomissão parlamentar para acompanhar a situação nos lares. PSD salienta que são necessárias novas soluções
   
10-09-2020
COVID-19: PSD propõe subcomissão de acompanhamento da situação dos Lares de Terceira Idade
   
10-09-2020
“Está ao nosso alcance manter o país aberto e a economia a funcionar”
   
24-07-2020
Agrupamento de Centros de Saúde de Santo Tirso/Trofa estão sem diretor executivo e sem presidente do conselho clínico
    Os parlamentares do PSD pretendem saber os motivos desta situação que afeta 115 mil utentes.
10-07-2020
Direitos e garantais de maior dignidade no trabalho exercido nas embarcações de pesca devem ser reforçados
    A posição do PSD foi expressa por Sandra Pereira.
07-07-2020
Compete ao Governo valorizar a Carreira de Técnico Superior de Diagnóstico e Terapêutica
    Carla Borges declarou que “está nas mãos do Governo a resolução desta matéria”.
07-07-2020
Requalificação do “Pavilhão 5” do hospital da Guarda “é absolutamente crucial” para instalar o Departamento da Saúde da Criança e da Mulher
    O PSD considera “inaceitável que, quase cinco anos depois de o PS ter assumido responsabilidades governativas”, esta requalificação continue por concretizar.
03-07-2020
Alterações ao teletrabalho devem ser feitas em diálogo com os parceiros socais
    O PSD entende que as alterações em matéria de teletrabalho devem ser feitas “com passos seguros em diálogo com os parceiros socais”.
03-07-2020
Legislação do teletrabalho deve conciliar direitos laborais e interesses empresariais
    Pedro Roque afirma que é neste equilíbrio entre as partes que a relação laboral se deve sempre edificar.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas