Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
PSD desafia todos os partidos para resolver o problema da Segurança Social
Fernando Negrão frisou que a resolução deste problema não pode continuar a ser adiada.
Fernando Negrão questionou a António Costa como foi possível que em dia e meio esta situação dos combustíveis tenha atingido estas proporções. No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, o líder parlamentar do PSD recordou que ontem assistimos a um país em sobressalto, com bombas de gasolina fechadas, aviões desviados e transportes em risco, especialmente os transportes que dizem respeito às forças de segurança e forças de emergência. Tendo em conta a gravidade da situação, o parlamentar quis saber se o governo fez tudo o que podia, se avaliou as consequências, se preveniu as consequências e o que levou o governo a decretar os serviços mínimos apenas para Lisboa e para o Porto, esquecendo o restante território nacional.
Abordado este tema de atualidade, o social-democrata centrou a sua intervenção no tópico escolhido pelo governo para este debate: a sustentabilidade do Sistema Público da Segurança Social. Frisando que este nunca foi um tema “tabu para o PSD”, o líder da “bancada laranja” recordou que o PSD já desafiou, por duas vezes, os partidos da esquerda e o governo a realização de um estudo aprofundado sobre esta matéria. “Naturalmente que as negas foram a norma. Nesta legislatura o PSD propôs uma comissão eventual para avaliar o estado da segurança social. O PCP e BE, como é normal, dizem sempre que não a qualquer reforma. Mais à frente, o PSD insistiu e propôs a criação de uma comissão técnica independente, o BE voltou a dizer não porque diz não a todas as reformas que se querem fazer. O PS voltou igualmente a dizer que não”.
Dirigindo-se a António Costa, Fernando negrão questionou se há ou não um problema de sustentabilidade da segurança social e um problema demográfico. Para o social-democrata, o governante não valoriza o problema demográfico, que se acentua todos os anos na sociedade portuguesa e nas sociedades europeias. “Temos um problema grave com a segurança social e não podemos esconder debaixo do tapete. Eu sei que estamos à beira de eleições e que não é politicamente correto dizer isto, mas sejamos sinceros com os portugueses e temos de lhes dizer que há um problema com a segurança social. E temos que nos juntar e estudar as soluções para esse problema, porque a questão demográfica é a bomba atómica dos problemas da «segurança social»”.
No que respeita à intervenção de “autoelogio” do Primeiro-Ministro, Fernando Negrão confessou que lhe fez lembrar “o discurso do engenheiro José Sócrates em 2009. Era um discurso de autoelogio, mas sabe o que aconteceu depois das eleições, em 2010: as pensões foram congeladas, foram cortados 2 escalões no abono de família, foi diminuído o subsídio de desemprego. E porquê? Porque há um problema na segurança social. Houve uma evolução positiva nos últimos anos, mas não resolve o problema. Temos de ir mais longe. E eu volto a fazer este desafio: vamos juntar todos os partidos políticos para resolver o problema da segurança social em Portugal”.
Segundo Fernando Negrão, além dos problemas que se avizinham, há problemas que já são sentidos. “São cada vez mais os cidadãos que se queixam do atraso no pagamento das reformas. Em alguns casos reportam-se a 2 anos. Há pessoas que depois de uma carreira contributiva completa têm de voltar a trabalhar, fazer alguns biscates, para poderem sobreviver. Senhor Primeiro-Ministro, o que tem a dizer relativamente a este problema?”
A terminar, o líder parlamentar do PSD afirmou que o Programa de Estabilidade apresentado pelo Ministro das Finanças revela que vamos ter menos crescimento, mais défice, muito mais carga fiscal e muito menos investimento público. “Este Programa só trouxe más notícias aos portugueses, para além da habitual propaganda, o que evidencia o que sempre dissemos: a política do governo não promove o crescimento sustentável e basta um sopro ou uma brisa para as debilidades ficarem todas à vista. O governo diz ainda que em 2017 há menos crescimento, mas que vamos manter o valor do défice. Pelo menos por uma vez, peço-lhe que seja frontal com os portugueses: para isso vai agravar a carga fiscal, reforçar as cativações ou vai reduzir o investimento público?”
17-04-2019 Partilhar Recomendar
05-04-2019
Governo não respeita o compromisso de diálogo e negociação coletiva assinado com os sindicatos
    Carla Barros considera que a “palavra dada” continua sem ser honrada.
15-03-2019
Esquerda governa para os eleitores e não para os portugueses
    Joana Barata Lopes lamentou que estes partidos governem sem pensar no futuro.
15-03-2019
Clara Marques Mendes coloca em evidência a hipocrisia do PCP
    A deputada lembra que os comunistas, apesar de verem as suas propostas chumbadas pelo PS, continuam a viabilizar os Orçamentos.
15-03-2019
Álvaro Batista: “com o governo das esquerdas 1 em cada 4 trabalhadores são precários”
    O social-democrata referiu-se à consciência pesada das esquerdas que prometeram reduzir a precariedade laboral e fizeram precisamente o contrário.
08-03-2019
PSD defende a criação de um Estatuto do Cuidador Informal
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Helga Correia.
08-03-2019
Cuidadores Informais querem respostas, não falsas ilusões
    Mercês Borges considera que falta vontade ao governo para dar resposta a este problema.
07-03-2019
Novo Banco: “queremos conhecer tudo em nome do interesse dos portugueses”
    Adão Silva exigiu explicações a António Costa sobre a “trapalhada” que se revelou a solução encontrada para o Novo Banco.
21-02-2019
Rui Cruz: “aquilo que foi dado aos portugueses, foi-lhes tirado por mais impostos, taxas, preços e tarifas”
    O deputado considera que “precisamos de um governo que seja capaz de induzir um crescimento económico robusto e continuado”.
21-02-2019
“Com o governo das esquerdas os trabalhadores precários aumentaram de forma explosiva”
    Álvaro Batista acusou a governação das esquerdas de ter falhado o objetivo de reduzir a precariedade.
13-02-2019
Portugal está a caminho de se tornar o quinto país mais pobre da União Europeia
    Joana Barata Lopes enfatizou que o combate à pobreza “é o único caminho que permitirá às pessoas a liberdade efetiva para construírem o seu plano de felicidade”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas