Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Esquerda governa para os eleitores e não para os portugueses
Joana Barata Lopes lamentou que estes partidos governem sem pensar no futuro.
No debate de iniciativas sobre a idade da reforma e o acesso à pensão sem penalizações, Joana Barata Lopes sublinhou a “falta de seriedade” de PCP, BE e PEV. Segundo a deputada, se estes fossem partidos da oposição, podíamos até levar a sério a bondade da vontade de reparar as ditas injustiças. “Mas estas, justamente estas, são as propostas que estes partidos apresentaram no Orçamento de Estado e foram chumbadas pelo PS, o partido que precisa do PCP, do BE e do PEV para que o seu Governo exista. Talvez lhes valesse a desatenção de alguns eleitores, mas até um português menos atento perguntará: se têm, como se diz, a faca e o queijo na mão, porque não exigiram então a aprovação destas propostas?”
Dirigindo-se a estas bancadas, a social-democrata recordou que estes partidos têm, pela primeira vez, de conjugar aquilo que dizem ser as suas prioridades com a verdade da governação. Até aqui, adianta a deputada, assistíamos a um exercício de quem podia dizer tudo sem nunca ter de responder por nada, como se o dinheiro se multiplicasse pela intensidade da intervenção. “Mas os recursos só se multiplicam com uma visão clara e franca para um país que produza riqueza de forma sustentada em vez de conjuntural, numa verdadeira estratégia para a competitividade. Convenhamos, é evidente que esta visão de criação de riqueza não é comum a todos os que aqui estamos. Os senhores impuseram ao país a vossa governação: governem. Querem falar do sistema público de pensões? Querem reparar injustiças? Respondam pelas injustiças do vosso Governo ou, no mínimo, exijam ao PS que vos responda”.
Depois de se referir à sustentabilidade da Segurança Social, Joana Barata Lopes deu o exemplo de forma a que não possam fingir que não compreendem. “A Rosa tem 52 anos e desconta há mais de 30 anos. No cenário do otimismo meio irreal, a Rosa reforma-se em 2033. O vosso próprio prazo de validade diz que a Rosa, de 52 anos e mais de 30 de descontos, já não vai ter pensão de reforma do Sistema Previdencial, falido três anos antes. O que é que os partidos deste Governo têm para dizer à Rosa? PCP, BE e PEV dirão que também estão a trabalhar para a Rosa e que até querem aumentar reformas e antecipar a idade de reforma. A Rosa perguntar-lhes-á: em quanto é que essas dádivas vão acelerar uma falência do Sistema já hoje previsto para 2030? Ora PS não responderá isso. Na realidade não vai responder à Rosa, vai continuar com a cabeça na areia, não vá algum eleitor lembrar-se que os cortes nas pensões e nas prestações sociais foram decididos pelo PS que os inscreveu como obrigatórios no memorando em que pediu dinheiro para suprir a bancarrota. Os remendos que vai fazendo ao sistema previdencial para apregoar aumentos de pensão de reforma são sempre à custa de todos e sem contas claras: porque aquilo em que prejudicar hoje a pensão da Rosa, ela só sentirá na sua pensão no futuro e os votos são para agora”.
A terminar, Joana Barata Lopes lançou um desafio a todos os partidos da esquerda: “tenham coragem de governar, de facto. De procurar soluções para o problema dos portugueses e não dos eleitores”.
15-03-2019 Partilhar Recomendar
15-03-2019
Clara Marques Mendes coloca em evidência a hipocrisia do PCP
    A deputada lembra que os comunistas, apesar de verem as suas propostas chumbadas pelo PS, continuam a viabilizar os Orçamentos.
15-03-2019
Álvaro Batista: “com o governo das esquerdas 1 em cada 4 trabalhadores são precários”
    O social-democrata referiu-se à consciência pesada das esquerdas que prometeram reduzir a precariedade laboral e fizeram precisamente o contrário.
08-03-2019
PSD defende a criação de um Estatuto do Cuidador Informal
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Helga Correia.
08-03-2019
Cuidadores Informais querem respostas, não falsas ilusões
    Mercês Borges considera que falta vontade ao governo para dar resposta a este problema.
07-03-2019
Novo Banco: “queremos conhecer tudo em nome do interesse dos portugueses”
    Adão Silva exigiu explicações a António Costa sobre a “trapalhada” que se revelou a solução encontrada para o Novo Banco.
21-02-2019
Rui Cruz: “aquilo que foi dado aos portugueses, foi-lhes tirado por mais impostos, taxas, preços e tarifas”
    O deputado considera que “precisamos de um governo que seja capaz de induzir um crescimento económico robusto e continuado”.
21-02-2019
“Com o governo das esquerdas os trabalhadores precários aumentaram de forma explosiva”
    Álvaro Batista acusou a governação das esquerdas de ter falhado o objetivo de reduzir a precariedade.
13-02-2019
Portugal está a caminho de se tornar o quinto país mais pobre da União Europeia
    Joana Barata Lopes enfatizou que o combate à pobreza “é o único caminho que permitirá às pessoas a liberdade efetiva para construírem o seu plano de felicidade”.
13-02-2019
“Políticas públicas atuais têm falhado na redução da pobreza e das desigualdades sociais”
    Clara Marques Mendes frisou que precisamos de uma geração de políticas que promovam a economia, que enfrentem a demografia e que afrontem a pobreza e desigualdades sociais.
13-02-2019
“Tudo parece brilhante, mas no fundo temos um país pobre e desigual”
    Adão Silva lembrou que, 9 meses antes da bancarrota, José Sócrates também dizia que estávamos no «melhor dos mundos».
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas