Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Aguardar 1000 dias por uma consulta é fortalecer o SNS?”
No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, Fernando Negrão lamentou que António Costa não “sinta vergonha de ter feito parte do governo que deixou o país em bancarrota”.
No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro sobre “políticas sociais”, Fernando Negrão começou por saudar António Costa por “finalmente” levar a debate o Serviço Nacional de Saúde.
No entender do líder parlamentar do PSD, o facto de o Primeiro-Ministro abordar este tema é a “confirmação de tudo o que temos denunciado ao longo dos vários debates quinzenais”.
Dirigindo-se a António Costa, o social-democrata questionou se para o governante “aguardar 1000 dias por uma consulta é fortalecer o SNS? Arrastar as obras da ala pediátrica do hospital São João no Porto é fortalecer o SNS? Fechar a urgência pediátrica do hospital Garcia de Orta por falta de médicos especializados é fortalecer o SNS? Qual a razão de só no fim da legislatura ter apresentado a Proposta de Lei de Bases do SNS?” Para Fernando Negrão, todos estes comportamentos do executivo são bem reveladores da forma como António Costa e o PS amam o SNS.
De seguida, o líder da “bancada laranja” centrou a sua intervenção nos números de vítimas de violência doméstica. Depois de 9 mulheres já terem sido vítimas de homicídio no âmbito da violência doméstica durante o mês de janeiro, o parlamentar enfatizou que “o que está a acontecer não pode continuar a acontecer. Como dizia ontem o diretor do jornal Público, «os bárbaros existem entre nós». Para lá do que foi feito nesta casa, onde há um amplo consenso nestas matérias, há que fazer mais e é necessário fazer mais. Temos de mobilizar e pôr em articulação as forças de segurança, o Ministério Público, os tribunais, as estruturas ligadas à proteção das crianças. Temos de criar alertas eficazes”. A António Costa o social-democrata questionou o que é que o governo pretende fazer.
A situação da Venezuela foi outro dos temas levado a debate por Fernando Negrão. Recordando que a Venezuela vive hoje circunstâncias muito difíceis, na procura de eleições livres e de dignidade para o seu povo, o parlamentar afirmou esperar que este seja um processo pacífico. Contudo, adiantou o deputado, como podem ocorrer dificuldades, Fernando Negrão quis saber se o governo tem planeado algum plano de contingência, de âmbito nacional ou europeu, para ajudar os 400 mil portugueses que vivem na Venezuela.
Fernando Negrão confrontou ainda António Costa com o sector da ferrovia. Referiu o social-democrata que as 4 automotoras alugadas a Espanha vão custar 4,6 milhões de euros e a última automotora só chegará a Portugal em 2022. “São todas da mesma série da que perdeu um motor na Linha do Minho. A justificação para a automotora ter perdido o motor em andamento: «fadiga do material». E é de facto fadiga: foram construídas entre 81 e 84, e já fizeram milhões de quilómetros em Espanha, tendo sido envidas já em final de vida útil para Portugal. Desta forma, o governo garante a segurança dos utentes da ferrovia?” Tendo em conta a resposta do Primeiro-Ministro, Negrão lembrou a António Costa que é “Primeiro-Ministro há 3 anos” e que “tinha obrigação de ter este problema já resolvido e de não se desculpar com os governos anteriores”.
Após referência de António Costa à “herança”, o líder parlamentar do PSD lamentou que o governante não tenha especificado “a que herança se referia” e ironizou dizendo que tem “a certeza que era da bancarrota em que [o PS] deixou o país.” E voltou a questionar: “depois de ter recuperado o país de estado da bancarrota em que os senhores nos deixaram, não é altura de pedir desculpa pelo estado em que deixaram país?” A concluir este tema, Fernando Negrão lamentou que António Costa não “sinta vergonha de ter feito parte do governo que deixou o país em bancarrota”.
A terminar, Fernando Negrão confrontou António Costa sobre as promessas incumpridas de ajuda às vítimas do incêndio de Monchique e questionou se o António Costa pode “garantir, como fez o Ministro das Finanças, que os portugueses não vão meter um tostão na CGD.”

06-02-2019 Partilhar Recomendar
03-02-2020
André Coelho Lima defende a estabilização do contingente das forças de segurança
    O deputado apresentou a iniciativa do PSD que associa as admissões às reformas.
03-02-2020
PSD defende uma redução de 15% dos custos com médicos tarefeiros
    Rui Cristina recordou que a própria Ministra da Saúde descreveu esta situação como “um cancro que está a percorrer o SNS”.
22-01-2020
Deputados do PSD reúnem com o Secretário Executivo da CPLP
    O encontro inseriu-se no Ciclo de Almoços sobre a Política Externa Portuguesa.
10-01-2020
André Coelho Lima defende um tratamento de dignidade para as forças de segurança
    O deputado elencou um conjunto de problemas que afetam estes profissionais, fruto das cativações do governo.
10-01-2020
650 mil portugueses sem médico de família comprovam o falhanço da governação socialista
    Referindo-se às promessas do governo, Rui Cristina lembrou igualmente o novo hospital do Algarve que continua sem sair do papel.
10-01-2020
Governo infligiu uma degradação sem precedentes ao SNS
    Alberto Machado denunciou as consequências das cativações no setor da saúde.
10-01-2020
Ricardo Baptista Leite: “este é um Orçamento que faz mal à saúde”
    O Vice-Presidente da bancada do PSD alerta que os portugueses assistirão, em 2020, à continuação da deterioração do Serviço Nacional de Saúde.
09-01-2020
Carlos Peixoto assinala consequências das cativações nas forças de segurança
    O Vice-Presidente da bancada do PSD fala num “quadro negro”.
09-01-2020
Álvaro Almeida: a saúde não é uma prioridade deste Orçamento
    O deputado considera que “o SNS está pior hoje do que estava quando o anterior governo socialista tomou posse”.
20-12-2019
PSD denuncia indústria de intermediários graças a dificuldades nos consulados no Brasil
    Os sociais-democratas alertam que o acesso ao sistema de agendamento de atos de registo civil e de nacionalidades é praticamente impossível.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas