Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Os portugueses estão cercados com impostos”
Cristóvão Crespo considera que o património das pessoas e das empresas está ameaçado pela criatividade tributária de PS, PCP e BE.
O Parlamento apreciou, esta quarta-feira, uma Petição que defendia a alteração do Imposto Sobre Veículos. Em nome do PSD, Cristóvão Crespo começou por saudar os mais de 4000 peticionários pela iniciativa e por colocarem o “dedo na ferida” e por deixarem “a nu as opções deste governo da responsabilidade do PS, PCP e BE”.
Segundo o deputado, estes partidos, “de forma sinuosa e encapotada, dão aqui e ali um bónus, que fazem pagar violentamente sobre a forma de imposto, adicional, taxa ou contribuição. A contribuição tem até diversas e novas variantes no Orçamento do Estado de 2019, desde as extraordinárias, as especiais ou as municipais. O Orçamento do Estado para 2019 é rico em criatividade. Em constante aperfeiçoamento, o resultado é sempre o mesmo, ou seja, ir ao bolso das pessoas a qualquer pretexto”.
Para Cristóvão Crespo o caso do imposto que incide sobre veículos importados usados “é paradigmático da desonestidade intelectual” que o governo utiliza para justificar a criação e agravamento de impostos. “A desonestidade intelectual do governo é bem evidente quando justifica o agravamento de impostos para promover a educação ambiental, mas neste já não aplica o mecanismo de desagravamento. A petição desmascara a estratégia do governo, que consiste em tornar os veículos como o motor da consolidação orçamental. Os Portugueses estão cercados com impostos”.
Face a este cenário, o social-democrata enfatiza que todo o património das pessoas e das empresas está ameaçado pela criatividade tributária do PS, do PCP e BE. “Seja o património móvel ou imóvel, de uso pessoal ou empresarial, mais modesto ou mais sumptuoso. Desde o “papa reformas” mais modesto ao último e sofisticado grito da tecnologia automóvel, tem de suportar o imposto sobre os veículos agravado, o imposto único de circulação com o respetivo adicional, o adicional do imposto sobre os produtos petrolíferos, o IVA sobre o ISV e o ISP e respetivos adicionais. Segundo o Orçamento do Estado para o próximo ano, caso a viatura seja detida por uma empresa ainda vai suportar um agravamento de 50% de tributação autónoma, em relação ao passado”.
Em suma, remata o deputado, “uma mão cheia de impostos para sacar o máximo do contribuinte”.

18-10-2018 Partilhar Recomendar
28-11-2018
Inês Domingos: “as empresas são ignoradas por este governo”
    A deputada refere que todas as associações empresariais consideram que este Orçamento não serve.
28-11-2018
Taxa adicional no imposto dos combustíveis retirou mil milhões de euros aos portugueses
    António Leitão Amaro acusou os partidos da esquerda de faltarem à promessa de reduzir o imposto.
28-11-2018
Ala Pediátrica do Hospital São João: socialistas continuam a falhar as suas sucessivas promessas
    Ricardo Baptista Leite considera que é incompreensível o que se passa e defendeu a realização imediata da obra.
27-11-2018
“As propostas do PSD para o IVA da cultura eliminam o caracter discricionário e discriminatório do Orçamento”
    José Carlos Barros contestou a diferenciação introduzida pelo governo entre tipos e locais de espetáculos.
27-11-2018
“Este Orçamento apenas tem o apoio da geringonça”
    Paulo Rios de Oliveira recordou que sindicatos, associações empresariais e ordens profissionais estão contra a proposta do governo.
27-11-2018
PSD quer corrigir a discriminação inaceitável entre portugueses emigrantes criada no Orçamento
    José Cesário sublinhou que se trata de uma questão de respeito por todos os nossos emigrantes.
27-11-2018
Duarte Pacheco destaca proposta do PSD para combater a especulação imobiliária
    Segundo o deputado a intenção é baixar a carga fiscal para quem tem um comportamento correto e agravar para quem tem comportamentos especulativos.
27-11-2018
Virgílio Macedo: “este é um Orçamento que só pensa no presente”
    O deputado lamentou a ausência de medidas de apoio à poupança e alertou para os riscos.
27-11-2018
Resolução dos problemas do mercado de arrendamento não pode ser feita à custa dos proprietários
    António Costa Silva sublinha que a correção deve ser efetuada através do estímulo da oferta.
27-11-2018
Cristóvão Crespo: a especialidade desta maioria é aumentar e criar impostos
    Prova disso, adianta o deputado, são os consecutivos recordes de carga fiscal.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas