Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Autodeterminação da Identidade de Género: processo não pode ser feito ao arrepio de valores de segurança e certeza jurídica
Sandra Pereira considera que o que está em causa é a implementação de uma agenda fraturante promovida pela esquerda radical.
Após o veto do Presidente da República ao diploma da autodeterminação da Identidade de Género, o Parlamento voltou, esta quinta-feira, a debater o tema. De acordo com Sandra Pereira, o Presidente solicitou à Assembleia, através do exercício do veto, a reponderação deste regime relativamente aos menores, solicitando que essa reponderação vá no sentido de se prever “avaliação médica prévia para cidadãos menores e 18 anos.” Segundo a deputada, “o PSD revisitou novamente este diploma e compreendemos e partilhamos as preocupações do Sr. Presidente da República. O PSD não é indiferente aos constrangimentos e sofrimento vividos pelas pessoas que nasceram com um sexo com o qual não se identificam, e somos favoráveis à sua autodeterminação. Reconhecemos que esses processos, pela sua própria natureza, são inquestionavelmente complexos e sofridos para os próprios e suas famílias. Valorizamos e reconhecemos a importância deste direito. No entanto, consideramos que o reconhecimento e exercício de tal direito não pode ser feito ao arrepio de valores de segurança e certeza jurídica que são princípios basilares da organização da sociedade tal qual a concebemos atualmente”.
Para o PSD, refere a deputada, é imperioso que essa decisão seja precedida de um documento que resulte de avaliação clínica interdisciplinar, que ateste e garanta a vontade inequívoca da pessoa que requer que esta mudança, mas que ateste sobretudo a veracidade dos pressupostos dessa alteração e isto só pode ser feito pela ciência e pela medicina.
É nesse sentido, adianta, que vai a proposta que o PSD, cuja novidade relativamente à anterior reside apenas na letra do texto, com termos mais neutros, para que não se possa ilegitimamente inferir que olhamos para a identidade de género como se de uma doença se tratasse. “Compreendemos as razões que o Presidente invoca para maior salvaguarda dos menores, no entanto em razão da matéria, parece-nos «em qualquer circunstância» que esta decisão deva ser cientificamente instruída. Estamos absolutamente convictos disto mesmo e a Ordem dos Médicos pronunciou-se sobre a nova redação dada ao texto da proposta de alteração do Grupo parlamentar do PSD e diz que esta «dá um contexto clínico bem enquadrado, que separa a componente clínica da componente da decisão livre e autónoma, o que é uma mais valia».”
A terminar, Sandra Pereira sublinhou que para o PSD não é concebível que uma lei desta natureza possa ser assim tão simplista, e omissa sobre questões que, do ponto de vista médico e humanista, são, para nós, absolutamente incontornáveis. “Mas o que mais nos preocupa é que, temos para nós, que o que está em causa é a implementação de uma agenda fraturante e de transformação social, promovida pela esquerda radical, na qual a maioria dos portugueses não se revê, e não votou sequer. E pior, à qual o PS se foi vergando sem hesitar, não por convicção, mas por sobrevivência.”

12-07-2018 Partilhar Recomendar
18-02-2011
Presidente da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego questionada por Francisca Almeida
    As questões foram colocadas na Subcomissão de Igualdade.
18-02-2011
Francisca Almeida questiona Presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género
    A deputada representou o PSD na Subcomissão de Igualdade.
17-02-2011
A violência doméstica é um problema da maior importância
    Francisca Almeida recordou que em 2010 foram assassinadas 43 mulheres.
07-02-2011
Mendes Bota reeleito Presidente da Comissão para a Igualdade no Conselho da Europa
    O deputado do PSD tem desenvolvido uma intensa actividade no domínio da igualdade de género, dos direitos das mulheres e do combate à violência contra as mulheres e a violência doméstica.
25-11-2010
Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres
    Vários deputados do PSD associaram-se à iniciativa da Subcomissão de Igualdade.
12-10-2010
Francisca Almeida questiona Comissão para a Igualdade entre Homens e Mulheres da CGTP
    As questões foram colocadas na Subcomissão de Igualdade.
28-06-2010
Parlamento discute a Violência Doméstica
    A social-democrata Teresa Morais defendeu que esse é o momento da “Assembleia da República analisar o que resulta e o que falha na aplicação concreta da Lei".
12-05-2010
Margarida Almeida salientou “cariz humanista do PSD”
    Social-democrata afirmou que o "PSD sempre acolheu e defendeu todas as medidas sociais desde que sejam justas e visem melhorar a vida dos portugueses"
25-02-2010
Mendes Bota na sede da ONU para falar de Violência contra as Mulheres
    Intervenção sobre “O papel dos parlamentos no reforço da legislação sobre a violência contra as mulheres”, está prevista para o dia 1 de Março
Início Anterior
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas