Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Esquerda está ávida de receita fiscal para compensar os erros estratégicos que estão a ser cometidos
Só desta forma, refere Carlos Silva, se pode compreender o regime sancionatório aplicável ao Crowdfunding apresentado pelo executivo.
O Parlamento apreciou, esta quinta-feira, a Proposta de Lei do governo que define o regime sancionatório aplicável ao desenvolvimento da atividade de financiamento colaborativo. Em nome do PSD, Carlos Silva começou por referir que o Financiamento colaborativo é uma forma muito simples de angariação de fundos, seja ele uma empresa, um evento social, artístico, cultural ou desportivo. Segundo o deputado, o objetivo é permitir que as boas ideias, os projetos inovadores, os projetos de valor acrescentado que fervilham na nossa sociedade possam tornar-se realidade, através da captação de fundos, tendo por base de trabalho uma plataforma eletrónica. “O Crowdfunding tem permitido lançar e viabilizar empresas, criar e salvaguardar emprego e canalizar recursos indispensáveis à economia. No contexto das start-ups tem sido um grande impulsionador, tem permitido o acesso a recursos financeiros, que nos casos das pequenas e médias empresas é sempre bastante complexo nos modelos tradicionais de financiamento. O Crowdfunding funciona de modo simples e transparente, a legislação de 2015, definiu com clareza um conjunto de parâmetros fundamentais para a atuação das diversas partes”.
Contudo, refere o parlamentar, com esta iniciativa o governo pretende fazer uma densificação excessiva do regime. “Na nossa ótica esta não deverá ocorrer, pois a tendência será criar entraves ao funcionamento de uma atividade que se tem revelado extremamente positiva para o funcionamento da economia e particularmente no lançamento de novas empresas. Mas temos mais, o presente diploma do Governo a coberto do assegurar da segurança nas transações e dotar o sistema de credibilidade e fiabilidade para todos os intervenientes, vem estabelecer um quadro sancionatório, que mais não é do que um ataque deste Governo do Partido Socialista às empresas do setor, um ataque ideológico da esquerda a tudo o que são iniciativas empresariais, um ataque a tudo o que é propiciador de riqueza e bem-estar”.
Sublinhando que esta postura da esquerda não é novidade, uma vez que se encontra ávida de receita fiscal que possa compensar os erros estratégicos que estão a ser cometidos no País, Carlos Silva afirmou não compreender este quadro sancionatório severo e desproporcionado face aos níveis de investimento que estão em causa.

19-10-2017 Partilhar Recomendar
24-05-2018
Governo esvazia os bolsos dos portugueses para encher os cofres do Estado
    Emídio Guerreiro frisou que esta “austeridade encapotada” tem a conivência e o aval dos deputados do PCP, BE, PS e PEV.
24-05-2018
Cristóvão Crespo desafia todos os partidos para a urgência da redução do imposto sobre os produtos petrolíferos
    O deputado referiu que a gasolina 95 é 26 cêntimos mais cara em Portugal do que em Espanha.
24-05-2018
Combustíveis: Carlos Silva acusa o governo de ter “ludibriado os portugueses”
    O social-democrata refere que o governo criou uma “austeridade aditivada”.
24-05-2018
Combustíveis: “o Bloco é cúmplice deste governo no saque ao bolso das famílias e dos empresários portugueses”
    Sara Madruga da Costa sublinhou que o BE, “o partido que tem duas caras”, também tem responsabilidade nesta matéria.
23-05-2018
“Incompatibilidade do Ministro Pedro Siza Vieira não tem consequências?” Fernando Negrão exige esclarecimentos “a bem da ética”
    No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, Fernando Negrão questionou ainda António Costa sobre valorização do interior e os problemas no sector da Saúde.
16-05-2018
Luís Campos Ferreira: “governo rege-se pela lógica do poucochinho”
    No debate sobre “Internacionalização da Economia Portuguesa”, o social-democrata enfatizou que “foi assim que lá chegou e é assim que o executivo governa”.
16-05-2018
Economia: governo não resolve os problemas, vive das conjunturas e tenta aproveitar a onda
    Paulo Neves condenou a ausência de uma “estratégia clara e bem definida” por parte do executivo.
16-05-2018
“Ou o Ministro da Economia não conta para a política económica deste governo, ou a economia não conta para este governo”
    Para Luís Leite Ramos só uma destas duas opções explica a ausência do governante no debate sobre a “Internacionalização da Economia Portuguesa”.
16-05-2018
Virgílio Macedo: “poderíamos e deveríamos estar a crescer mais e melhor”
    O social-democrata considera que em vez de um governo pró-ativo, Portugal é governando por um executivo “pró-passivo”.
16-05-2018
SEF: Helga Correia alerta para as consequências reputacionais para Portugal das filas de espera no aeroporto
    A deputada quer saber que medidas estão a ser tomadas pelo governo para que “espetáculo idêntico” não se repita.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas