Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Portugal é atualmente um dos países que tem a gasolina mais cara do mundo”
Margarida Balseiro Lopes desafiou o governo a voltar atrás no brutal aumento do Imposto sobre os Combustíveis.
No debate sobre o aumento do preço dos combustíveis, Margarida Balseiro Lopes enfatizou que este é apenas mais um caso que demonstra a falta de transparência e de verdade por parte do governo.
Recorda a deputada que em 2016, quando o preço dos combustíveis estava historicamente baixo, o governo afirmou que era necessário compensar a perda de receita fiscal e procedeu a um aumento do Imposto sobre os Combustíveis (ISP). Contudo, recorda, a promessa de que haveriam revisões trimestrais do ISP não foi cumprida e as únicas revisões que os portugueses atualmente conhecem são as dos aumentos do ISP.
Destacando que “Portugal é atualmente um dos países que tem a gasolina mais cara do mundo”, a social-democrata afirmou que a UTAO desmontou a suposta neutralidade fiscal anunciada pelo governo, pois reconheceu que a receita do ISP ultrapassou largamente a receita do IVA perdido. “Ou seja, o aumento do ISP foi para ajudar a compor a execução orçamental”.
Margarida Balseiro Lopes referiu ainda que os partidos que suportam o governo também suportam estes aumentos e “são cúmplices do facto de, diariamente, famílias e empresas terem de suportar estes aumentos brutais que tivemos no ISP. Os partidos da esquerda mudaram de opinião e têm estado calados perante estes aumentos que são socialmente injustos e que penalizam de igual forma um milionário ou um desempregado”.
A terminar, a parlamentar desafiou o governo “a voltar atrás neste brutal aumento que penaliza diariamente famílias e empresas portuguesas”.

21-04-2017 Partilhar Recomendar
21-04-2017
Governo das esquerdas já envolveu na banca mais de 10 mil milhões de euros dos contribuintes
    António Leitão Amaro afirmou que este Tempo Novo das Esquerdas traz negócios ruinosos para os contribuintes, mas generoso para os bancos.
21-04-2017
Imposto sobre os Combustíveis: PCP e BE são cúmplices de um aumento de 250 milhões de euros
    Segundo Duarte Pacheco este aumento sobre as famílias portuguesas é da responsabilidade do governo e dos partidos que o suportam.
19-04-2017
O governo reconheceu o fracasso da sua estratégia
    Miguel Morgado considera que estamos perante um governo sem coerência estratégica e sem capacidade reformista.
19-04-2017
Sem reformas, o governo limita-se a falar e a esperar que as coisas aconteçam
    Segundo Duarte Pacheco os resultados comprovam que 2016 foi um ano perdido.
19-04-2017
“O governo tinha a obrigação de retirar Portugal do lixo e de pôr a economia a crescer muito mais”
    Maria Luís Albuquerque frisou que para este governo e para os partidos que o apoiam só a banca merece cuidados e preocupações.
07-04-2017
Parece que a esquerda pretende proteger Ricardo Salgado e transformar o Governador do Banco de Portugal no ladrão
    Carlos Silva afirmou que o PSD não aceita “que se confundam polícias com ladrões” e que o PS tente apagar as suas responsabilidades no sistema financeiro.
07-04-2017
“A independência do Banco central face aos supervisionados e face ao poder político é fundamental”
    Inês Domingos classificou como “intolerável” o ataque que está a ser feito pelo governo das esquerdas ao Banco de Portugal.
06-04-2017
“O PSD sempre se bateu por medidas que tornem mais equitativa e justa a distribuição da carga fiscal”
    Já a maioria de esquerda, na opinião de Cristóvão Crespo, só se consegue entender para destruir.
23-03-2017
Cristóvão Norte alerta que reestruturar a dívida é mexer nas poupanças dos portugueses
    O deputado lembrou que houve um aumento da exposição dos portugueses à dívida pública.
23-03-2017
Dívida pública: “o Governo está a jogar à lotaria com o nosso futuro”
    Inês Domingos considera que a atuação do executivo, nesta como em outras matérias, “é o reflexo de uma política imediatista, sem olhar às consequências para o futuro”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas